fbpx

Como será que os microorganismos afetam a extração de petróleo e gás?

Normalmente, as pessoas ficam surpreendidas ao saber que a água é uma parte fulcral da extração de petróleo e gás. Saiba porquê.

Há uma associação óbvia com a água no termo “hidro-fracking”, em que a água é injetada no subsolo a alta pressão para quebrar rochas e libertar grandes volumes de bolhas de gás ou gotas de óleo. Mas sabia que a água também é usada extensivamente na produção convencional de petróleo e gás?

Quando se perfura petróleo ou gás – a mais de um quilómetro de profundidade – penetra-se em poças de matéria orgânica degradada e comprimida, resultantes de antigos restos de plantas e animais. Quando se entra em contacto com essas poças, obtemos imediatamente uma libertação de óleo e / ou gás, mas apenas por um curto período de tempo antes que a pressão natural dessas reservas não seja mais suficiente para superar a pressão atmosférica. Uma vez que a pressão no subsolo se iguala à pressão atmosférica, o fluxo pára – e com ele os lucros também. Então, engenheiros descobriram uma maneira de usar a água para recuperar esses recursos antigos de petróleo e gás.

Quando se extrai petróleo e gás, é comum perfurar uma série de poços em torno de um poço central “produtor”. Estes são conhecidos como poços de injeção onde a água é injetada a pressões moderadas para empurrar o óleo e o gás para o poço produtor, melhorando o fator de recuperação.

Como pode ver, a água desempenha um papel importante em processos de produção convencionais e não convencionais (incluindo hidro-fraturação e Drenagem Gravitacional Assistida por Vapor, ou DGAV) e, como sabemos, onde há água, há microorganismos. Se os microrganismos são injetados no lençol de água, é inevitável que alguns sobrevivam e prosperem, resultando na proliferação microbiológica e na acumulação de biofilme. Este facto leva a entupimentos, reduz o caudal, a recuperação e a produção. Os micróbios também podem causar problemas como a acidificação (a geração de gás H2S que é ao mesmo tempo corrosivo e perigoso para a saúde humana) e a corrosão microbiologicamente influenciada (CMI), que custa mil milhões de dólares por ano.

A indústria usa frequentemente uma variedade de métodos de tratamento de água para remover microrganismos antes da injeção, assim como biocidas para evitar o novo crescimento no fundo do poço; mas o desafio é saber que tipo de biocida aplicar e quanto é necessário para efetivamente tratar a água e evitar o crescimento microbiológico. Para isso, é necessária uma monitorização efetiva que possa ser usada no ponto de tratamento.

O teste ATP de última geração é uma solução comprovada e considerada por muitos como o padrão ouro na indústria há mais de 10 anos. Com sua capacidade de quantificar o tamanho da população microbiológica total em menos de 5 minutos, é um complemento ideal para testes tradicionais como Most-Probable Number (MPN), BART, outras análises baseadas em cultura e até métodos de ADN de próxima geração que podem fornecer uma visão mais aprofundada sobre a comunidade microbiológica e a abundância de espécies. “Se não consegue medir, não poderá controlar”. Fique à frente da contaminação microbiológica por meio de métodos de teste comprovados e confiáveis ​​da LuminUltra.