fbpx

Crescimento de algas nocivas – O que existe na admissão de água potável?

Devido ao aumento da poluição e das alterações climáticas, a proliferação de algas nocivas está a aumentar. Leia mais para descobrir porque são prejudiciais e como pode detectá-las para proteger o seu sistema de água potável.

Em agosto de 2014, a cidade de Toledo, Ohio, informou os seus habitantes (cerca de 500.000 pessoas) que não deveriam usar água da torneira para qualquer finalidade, incluindo tomar banho e cozinhar. O culpado: a microcistina, uma toxina produzida por algas verde-azuladas. Foi detetada na água potável da cidade em concentrações 2,5 vezes superiores ao valor da diretriz da Organização Mundial de Saúde. Microcistinas são hepatotoxinas, que podem causar insuficiência hepática aguda, bem como vários outros sintomas, incluindo náuseas e vómitos. Em Toledo, a recomendação para não consumir água foi anulada dois dias depois, após acções corretivas na estação de tratamento de água. A fonte de água de Toledo, o Lago Erie, experimentou uma frequência crescente de proliferação de algas nocivas e prejudiciais ao longo da última década. A causa raiz da proliferação de algas de água doce é o excesso de carga de fósforo de fontes pontuais (ou seja, instalações de tratamento de águas residuais) e não-pontuais (ex. escoamento agrícola), que recentemente foi exacerbado pelas mudanças climáticas.

Há uma variedade de ferramentas que podem ser usadas para proteger os sistemas de água potável contra a proliferação de algas nocivas. Imagens de satélite e aéreas podem ser usadas para identificar e mapear proliferações de algas nocivas para determinar o seu risco. A monitorização da qualidade, tanto na água de origem como nos processos de tratamento pode ser usada para identificar a proliferação de algas (por exemplo, clorofila, ATP, sequenciamento de ADN), toxinas derivadas de algas (ex. microcistinas) e condições que podem aumentar a proliferação de algas (ex. temperaturas mais quentes). A modelagem da água de origem também é um meio importante para prever e determinar a probabilidade de florescimento de algas. No Lago Erie, o Laboratório de Pesquisa Ambiental dos Grandes Lagos da Administração Nacional e Atmosférica do Oceano usa várias fontes para produzir um alerta de previsão de 5 dias de proliferação de algas potencialmente prejudiciais. Todas essas informações permitem que os sistemas de água potável sejam proativos e não reativos na sua abordagem para lidar com a proliferação de algas nocivas.

Está preocupado com a proliferação de algas nocivas na sua fonte de água potável ou águas recreativas? O ATP de última geração da LuminUltra é uma ferramenta de monitorização eficaz que pode fornecer identificação rápida de uma proliferação biológica emergente. Com a previsão do aumento da frequência e intensidade deste problema, assegure-se de que seu sistema de água potável esteja protegido. Saiba mais aqui.