fbpx

Micróbios PROCURAM-SE: Legionella

A Legionella é um organismo mesófilo e patogénico que pode causar a Doença do Legionário, um tipo de pneumonia potencialmente fatal. Embora possa ser encontrada em ambientes naturais, começa a tornar-se numa preocupação em sistemas criados pelo homem. Ela cresce com temperaturas situadas entre 25-42°C e é transmitida aos seres humanos através da inalação de gotículas de água contaminada, tornando equipamentos como torres de arrefecimento, tanques de água quente, chuveiros e banheiras de hidromassagem particularmente suscetíveis. A Legionella e a Doença do Legionário foram identificadas pela primeira vez no final dos anos 1970, quando 221 pessoas adoeceram com uma doença desconhecida numa conferência da American Legion em Filadélfia, Pensilvânia. A Legionella, que se reproduziu na torre de arrefecimento do ar condicionado do hotel, foi eventualmente identificada como a causa da doença. O surto resultou em pelo menos 34 mortes.

Ocorrências da Doença do Legionário têm aumentado constantemente nas últimas duas décadas. Embora seja provavelmente sub-diagnosticada, 6 100 casos foram identificados nos EUA somente em 2016. Para ajudar a reduzir essa tendência, em 2015 a Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado (ASHRAE) desenvolveu a Norma 188: Legionelose: Gestão de Risco para Sistemas de Água Prediais, que fornece orientação sobre requisitos mínimos de gestão de risco de Legionella em sistemas de água predial.

Os requisitos de monitorização consistem em monitorizar a população microbiana semanalmente (ou seja, ATP de 2ª Geração, contagem de placas heterotróficas ou “dip slides”) para identificação do risco e teste específico trimestral de Legionella. Atualmente, o padrão de excelência para testes específicos de Legionella é feito através do método de cultura. No entanto, devido ao longo período de incubação (7-14 dias), pesquisas recentes concentram-se no uso de técnicas moleculares, como reação em “Polimerase Chain Reaction” (rPCR), para fornecer resultados mais rápidos e precisos.

No sistema de água de um edifício, a Legionella floresce em biofilmes. Os biofilmes crescem na superfície da infraestrutura e consistem em microrganismos aderentes com substâncias poliméricas extracelulares (SPE). Facilitam a troca de nutrientes, aumentam a resistência ao biocida e protegem-se contra o aumento da temperatura. A Legionella depende de outros microrganismos dentro do biofilme que lhe fornecem vários nutrientes necessários, como o aminoácido L-cisteína. Isto destaca a aplicabilidade da inclusão de monitorização microbiológica geral num plano de monitorização de Legionella. O aumento do risco microbiológico e o aumento do risco de Legionella estão lado a lado.

As medidas de controlo de Legionella, por norma, enquadram-se em três categorias: controlo de temperatura (<20 ° C,> 50 ° C), desinfeção (oxidação, não oxidante ou UV) ou filtração no ponto de uso. A estratégia de controlo que escolhe está diretamente dependente do tipo de sistema de água em questão. Por exemplo, biocidas não oxidantes não serão usados numa rede de água quente ou fria sanitária.

Para saber mais sobre como incorporar a monitorização microbiológica usando o kit ATP de 2ª geração num plano de monitorização de Legionella, clique aqui.