Retorno do Investimento numa ETAR

Identificação rápida de um evento de toxicidade no tratamento de águas residuais de uma ETAR

etar

Ferramenta: ATP de última geração- QG21W

Poupança: >5,000€ em custos de mão de obra

Problema: Uma ETAR operada por um município trata uma elevada quantidade de águas residuais industriais, resultando em frequentes perturbações causadas pela toxicidade do efluente.

Instalação: ETAR convencional com lamas ativadas por oxigénio, com 100 000 m3 de capacidade.

Investimento: O teste LuminUltra QG21W é realizado diariamente no biorreator, no efluente do clarificador primário e nas linhas industriais individuais.

Análise económica: A medição de 2ª geração ATP permitiu à equipa da ETAR concluir rapidamente que as suas ações corretivas iniciais não tiveram êxito e que outras medidas deveriam ser tomadas. Foram estimadas poupanças em mais de 5000€ só em custos de mão de obra, através da possibilidade de se avaliar rapidamente o sucesso das ações corretivas na ETAR.

Sinopse: O teste de rotina de ATP é realizado numa ETAR operada por um município, para monitorizar a toxicidade nas linhas de efluente industrial e no biorreator. Há já algum tempo que a fábrica tinha problemas nos processos causados pela toxicidade. No início do ano, um evento de toxicidade foi identificado, ou seja, a concentração de ATP (cATP) caiu de ~ 1525 ng/mL para 813 ng/mL em 24 horas. Como resultado, a concentração de efluente de DQO aumentou de uma linha  base de 187 mg/L para 690 mg/L.

Investigações mostraram que a ETAR recebeu duas linhas de águas residuais altamente tóxicas facto que levou ao evento tóxico. Para ajudar à recuperação do processo, foram injetadas no biorreator lamas activadas frescas de uma ETAR vizinha. Resultou num aumento acentuado de sólidos suspensos. No entanto, a concentração de cATP apesar de ter aumentado ligeiramente, logo depois baixou, mas retornou para os valores obtidos logo após o evento de toxicidade. Foi levantada a hipótese de que um composto tóxico teria sido adsorvido nos sólidos do biorreator. Para remover o composto tóxico, uma grande quantidade de sólidos foi purgada do biorreator. Após a purga, recuperou-se a carga microbiológica viva a [cATP] assim como o desempenho do tratamento, tendo sido validada a hipótese de adsorção.

CONTACTE-NOS